sexta-feira, 25 de abril de 2008

TV UCPel na Maratona

Matéria feita pelo colega Andrey Frio e veiculada na TV UCPel.



video

Entrevista: Gustavo Spolidoro



Sócio fundador da cinematográfica Clube Silêncio, o diretor e produtor de cinema Gustavo Spolidoro fala, em entrevista, sobre o cinema no Brasil, a difusão e a distribuição de filmes e da formação de público espectador. Spolidoro é premiado com seu filme de estréia, o curtametragem Velhinhas, e atualmente lança o longa Ainda Orangotangos.




Maratona de Cinema - Como tu percebes a aceitação do cinema nacional pelo grande público?

Gustavo Spolidoro - Não tem como medir isso. Tem filmes que fazem mil espectadores e outros milhões. Depende do elenco, do lançamento, da distribuidora e principalmente do apelo de público do filme.


Maratona - O cinema que se produz no Brasil (e no Rio Grande do Sul) é acessível ao grande público?

Spolidoro - Também fica difícil resumir isso, ou generalizar. Os filmes do JORGE FURTADO já alcançaram cerca de 500mil, mas o ultimo fez 150mil. Mesmo assim, é pouco, perto de filmes nacionais que chegam a 1 milhão. Outros filmes gaúchos, mais gaudérios, até vão bem aqui, até tem um apelo comercial, como NETTO PERDE SUA ALMA, mas acabam não emplacando fora daqui.

Mas sim, é acessível sim. Mas qual e quanto é o grande público? 180 milhões de habitantes. 9 milhões vão ao cinema. 500mil é sucesso, mas é grande público? Prefiro que cada diretor encontre o SEU público, independente de pensar em fazer um filme para o público, pois o público, como um ser só, não existe.


Maratona - Fazer cinema, hoje, no Brasil, pode ser uma atividade rentável? Ela pode ser considerada uma indústria ou um ramo significativo da economia?

Spolidoro - Claro que sim. Pode ser rentável na captação, na produção, na exibição e na venda para TVs. Depende da competência da equipe e principalmente da qualidade do material.


Maratona - De que forma pode-se fomentar o interesse do público pelo cinema nacional e, mais especificamente, de sua apreciação em salas de cinema e não apenas no DVD?

Spolidoro - Creio que com maior investimento do governo na parte de distribuição/comercialização.


Público, distribuição e oferta

Maratona - Qual é a relação entre produção, público e distribuição [ou oferta] de cinema? Como essa relação se dá hoje no Estado?

Spolidoro - Nunca é fácil e um filme normal demora as vezes 5 anos pra ser produzido. Mais difícil ainda é conseguir um lançamento de qualidade. Por estarmos longe do centro do País e das grandes empresas de distribuição, fica mais difícil daqui conseguir bons negócios.
Em termos de produção existem filmes feitos em digital, de forma barata, sem recursos governamentais. Esses filmes tem conseguido espaço, principalmente em festivais.


Maratona - Seria possível dizer que um desses pilares hoje está mais fortalecido que outro? Um deles poderia se fortalecer mais para incentivar os outros dois?

Spolidoro - Não. Na verdade nenhum deles está fortalecido. A idéia do governo sempre foi fortalecer a PRODUÇÃO. Daí, quando se viram com 150 longas finalizados e 50 lançados, se deram conta que deveriam fortalecer a DISTRIBUIÇÃO. Mas isso está começando apenas.


Maratona - De que formas a Clube Silêncio incentiva a difusão do cinema nacional em circuitos não tradicionais?

Spolidoro - A Clube Silêncio não INCENTIVA. A Clube trabalha com projetos seus. Mas dentro disso, nós procuramos justamente outros nichos, outras formas de exibiçao e produção. Estamos criando nossos meios.


Maratona - Como iniciativas do tipo da Maratona de Cinema da Z-3 (a qual a Clube Silêncio está apoiando) podem auxiliar na popularização do cinema nacional?

Spolidoro - As pessoas estão, aos poucos, reacostumando-se a ver cinema brasileiro. Normalmente quando entram em contato com filmes, em projetos como a MARATONA ou o RODACINE RGE, surpreendem-se com a qualidade dos filmes. Isso funciona como FORMADOR DE ESPECTADORES e vira uma bola de neve, fazendo com que as pessoas queiram ver outros filmes e saber maios sobre a produção.

And the Oscar goes to...

A Maratona de Cinema da Z-3 deu brindes e prêmios por meio do blog e de sorteio no última dia de evento. Foram camisetas, vales compras na Farmácia Nossa Senhora Aparecida, vales para embelezamento na Evidency Espaço da Beleza e um aparelho de DVD oferecido pela Manlec.

Os ganhadores do acesso 500 do blog (sim, inexplicavelmente foram dois) foram Everton Maciel e Anderson Cardozo.

No sorteio, os premiados foram:

Camisetas
Douglas Jacinto
Nedi Reinhardt
Raíssa Mariano
Matheus Terra
Lucas Ramirez

Brindes Farmácia Nossa Senhora Aparecida
Matheus Terra
Kellen Dutra

Brindes Evidency Espaço da Beleza
Rafael Costa Mendes
Juraci Silva
Luís Eduardo Burgueño

DVD - Manlec
Matheus Fagundes Duarte

O ganhador do DVD, Matheus Duarte, recebendo o vale para retirada do prêmio.

E ainda tem promoção rolando. O acesso 750 , o autor da melhor foto e da melhor matéria sobre a Maratona ganham camisetas. Continuem acessando o blog e, jornalistas e aspirantes, enviem seu material para cinez3@gmail.com!